Mercado de Trabalho

Como agir em um feedback 360

Por EAD UNISC   | 

 Tag: Mercado de Trabalho

Você já participou de um feedback 360 graus?

O feedback é uma prática muito comum no mercado de trabalho. Afinal, é uma ferramenta essencial para que as lideranças avaliem o desempenho dos seus colaboradores e promovam o seu crescimento.

Entre os formatos de feedback, o 360 graus é um dos que causa mais dúvidas, já que envolve uma série de etapas, assim como profissionais de diversos níveis hierárquicos.

Neste artigo, explicamos mais sobre como funciona esse tipo de feedback e como você pode se preparar para ele. Vamos juntos?

Aqui você vai conferir:
O que é um feedback 360?
A diferença entre o feedback 360 e 90
Modelos de feedback 360 graus
Como avaliar seu gestor e colegas de trabalho no feedback 360
Saiba lidar com o feedback do seu gestor

Comece sua graduação EAD agora mesmo! Inscreva-se.

O que é um feedback 360?

O feedback 360 graus é uma ferramenta de gestão de pessoas no qual todos os membros de uma equipe ou empresa se avaliam, independente da hierarquia.

Ou seja, nesse modelo de feedback, colaboradores avaliam seus colegas de equipe, assim como seus superiores e a si mesmos. O mesmo vale para os gestores.

A ideia é propor uma abertura entre os colaboradores e eliminar o estigma de que feedback é unilateral, propondo que todos participem desse processo e se avaliam mutuamente.

Afinal, não importa qual seja o nível hierárquico de um profissional, sempre existe espaço para que novas habilidades sejam desenvolvidas e aperfeiçoadas.

O feedback 360º foi usado pela primeira vez em 1940 e até hoje é aplicado em muitas empresas para melhorar o desempenho e mapear os objetivos de carreira dos funcionários.

>>> Leia também: Feedforward: de olho no futuro da sua carreira

A diferença entre o feedback 360° e 90°

No campo de gestão de pessoas, existem diversos tipos de feedbacks — dois deles são os 360° e 90°.

Ao longo da sua carreira, provavelmente você vai se deparar com dois, por isso é importante saber diferenciá-los.

Você já sabe que no feedback 360 graus colegas, supervisores e gestores se avaliam mutuamente, certo? Mas e o feedback 90 graus, como funciona?

Esse tipo de feedback também leva o nome de “avaliação direta”, sendo um dos mais tradicionais do mercado de trabalho. É aquele que ocorre entre duas pessoas: o líder (gestor imediato) e o colaborador.

Nesse modelo, o primeiro, em grau hierárquico superior, avalia o segundo. Para isso, os gestores costumam seguir critérios e um roteiro estabelecido pelo RH da empresa.

Sendo assim, a principal diferença entre o feedback 360º e 90º é que o primeiro tem um caráter múltiplo — em que todos os colaboradores se avaliam —, e o segundo é mais unilateral.

É importante ressaltar que não existe um modelo pior ou melhor de feedback, mas alguns vão ser mais adequados a algumas situações do que outras.

>>> Leia também: Relacionamento Interpessoal: dicas para o mercado de trabalho

Modelos de feedback 360 graus

Existem 3 principais modelos de avaliação 360 graus, conheça quais:

1. Modelo enxuto

O modelo enxuto possui 3 possibilidades de resposta: “nunca”, “às vezes” e “sempre”. Ele consiste em perguntas objetivas e curtas. Geralmente, tem um tema específico para cada uma das alternativas.

2. Modelo direto

No modelo direto há 5 possíveis respostas: “nunca”, “pouco”, “algumas vezes”, “muito” e “quase sempre”. Nele, a temática não é apresentada diretamente e as perguntas são mais abertas.

3. Modelo complexo

No modelo complexo, existem 3 alternativas de respostas: “nunca”, “algumas vezes” e “sempre”. E são 2 perguntas por categoria.

>>> Leia também: Por que você deveria tomar cuidado com a necessidade de aprovação

feedback 360 - duas profissionais sentadas lado a lado conversando

Como avaliar seu gestor e colegas de trabalho no feedback 360 graus

Vai participar de um feedback 360 graus? Trazemos algumas dicas que podem ajudá-lo:

Esteja bem preparado

Pode parecer óbvio, mas é essencial que você reserve um tempo em sua agenda para realmente refletir sobre o trabalho do seu colega ou gestor.

Procure avaliar os pontos fortes e fracos desse profissional, buscando formas para que ele possa se aperfeiçoar e entregar resultados ainda melhores.

Essa preparação é indispensável para que você forneça um feedback assertivo e efetivo, ajudando de forma concreta na carreira do outro.

Seja sincero, mas sempre respeitoso

O feedback é o momento para você ser transparente em relação às suas percepções. Isso é fundamental para que o seu colega ou gestor encontre meios de se desenvolver enquanto profissional.

Contudo, é importante lembrar que isso deve ser feito com muito cuidado, evitando palavras e percepções depreciativas e ofensivas.

O respeito e a empatia vem em primeiro lugar na hora de dar um feedback – especialmente se for negativo. Nunca se esqueça disso!

Não faça críticas pessoais

Lembre-se que um feedback não é sobre o indivíduo, mas sobre uma conduta ou um aspecto profissional. Assim, tome cuidado para não misturar as coisas.

No momento de dar um feedback, suas opiniões pessoais quanto àquele sujeito não devem interferir nesse retorno, mesmo que existam problemas de convivência.

Apontamentos de ordem pessoal podem prejudicar os resultados da ação e até gerar grandes conflitos.

Comece pelos pontos fortes, mas não esqueça dos pontos fracos

Ao dar o seu feedback, seja para um colega ou superior, é sempre interessante começar pelos pontos fortes. Isso ajuda a quebrar o gelo e também a deixar a pessoa mais tranquila.

Diga o que acha bom em seu desempenho, em suas habilidades, competências e atitudes e como tudo isso ajuda a empresa.

Contudo, é importante que você também destaque os pontos fracos dessa pessoa, ou seja, no que ela ainda precisa melhorar.

Com essas duas perspectivas, será possível que o profissional avalie a si mesmo e trilhe os próximos passos da sua carreira.

Traga exemplos reais e aponte caminhos para melhora

Ao citar os pontos fortes e fracos de um profissional durante o feedback, é essencial que você traga exemplos reais. Assim, fica mais fácil que a pessoa veja concretamente o que você levou em conta para fazer tal avaliação.

Além disso, procure apontar caminhos para que o profissional se desenvolva. A pergunta “o que precisa ou pode ser feito em relação a isso?” deve guiar o seu feedback.

É essencial que você não aponte só problemas, mas também oriente a pessoa a tomar alguma ação construtiva em relação a eles.

Lembre-se: o princípio de dar feedback não é “apontar dedos”, ou julgar a pessoa por suas atitudes. O que buscamos é o crescimento e aprendizado.

>>> Leia também: Falta de confiança: o que é e como superar

Saiba lidar com o feedback dos seus colegas e gestores

E quando você está do outro lado? Sabe como agir? Confira a seguir como lidar com o feedback dos seus colegas e gestores:

1. Antes de tudo: escute

Muitas pessoas, especialmente quando recebem um feedback negativo sobre suas ações, cometem o erro de ficar retrucando ou encontrando desculpas — sem nem ao menos ouvir ou prestar atenção no que o outro diz. Não seja esse tipo de profissional.

Às vezes, pode parecer que o caminho mais fácil é ativar o estado de negação durante uma conversa de feedback.

Não é fácil receber críticas, então é normal ficar um pouco na defensiva. Contudo, simplesmente se fechar e não escutar o outro não é o melhor caminho.

Entenda que durante um feedback nada é um ataque pessoal. Lembre-se que, como todo mundo, você está aprendendo e ainda se desenvolvendo, erros vão acontecer e problemas vão surgir.

Tenha maturidade e humildade para identificá-los e solucioná-los. Isso é fundamental para o seu crescimento profissional.

Então, antes de tecer qualquer comentário, procure escutar o que seus colegas e gestores têm a dizer sobre você.

2. Peça exemplos

Uma conversa de feedback pode parecer um pouco abstrata muitas vezes, não é mesmo?

Por isso, se identificar algum ponto que não compreenda bem, não hesite em pedir um exemplo de tal conduta/atitude.

Pedir exemplos é um gesto de humildade, de disposição para reconhecer falhas, e não uma oportunidade de enfrentamento.

Isso pode ajudar muito a entender onde você está errando e como melhorar.

Ou seja, assim como é interessante que você traga exemplos em seu feedback, não se acanhe em cobrar o mesmo dos outros colaboradores.

3. Reflita sobre o que foi dito

Nem sempre dá para ter total compreensão dos fatos durante o feedback. Por isso, é preciso tempo para digerir, ponderar, reavaliar — você não precisa reagir de imediato a uma crítica, por exemplo.

Pense sobre a conversa e reflita a respeito do que levou o outro a ter determinada percepção.

No final desse processo, assimile o que for favorável ao seu crescimento e comece
trabalhar novas atitudes.

Pode iniciar por pequenas mudanças no seu dia a dia, por exemplo: se o ser gestor comentou que você está pouco participativo nas reuniões, traga sugestões, diga suas impressões sobre o assunto, mostre que você está ali e absorveu a crítica.

Lembre-se que um feedback é um norte para que você saiba por onde começar a trilhar uma carreira de sucesso.

Comece sua graduação EAD agora mesmo! Inscreva-se.